Fim de semana da Igreja Perseguida – Portas Abertas na IPBVF

Viver para o Rei, servindo aqueles que sofrem por Ele!

Neste domingo, 18/02, no horário da Escola Dominical (9h30min) teremos a presença da Portas Abertas Brasil, que há mais de 60 anos apoia cristãos ao redor do mundo, perseguidos por causa da sua fé.

Nesta ocasião, teremos oportunidades de apoiar projetos em prol da igreja perseguida. Venha preparado!

*após a EBD haverá assembleia da igreja.

50

A Lista Mundial da Perseguição (anteriormente chamada Classificação da Perseguição Religiosa) traz os 50 países com maior grau de perseguição para com aqueles que seguem a Cristo. Ela é atualizada anualmente com base em pesquisas da Portas Abertas, que consideram as leis no país, a postura das autoridades, da sociedade e da família em relação a cristãos, novos convertidos e igreja.

Um questionário cobrindo esses aspectos determina a posição do país na Lista. Atualmente, cerca de 215 milhões de cristãos são perseguidos nos 50 países que compõem a Lista. Isso faz que os cristãos sejam o grupo religioso mais perseguido do mundo.

Todos os anos, a Lista Mundial da Perseguição é auditada independentemente. O órgão de auditoria é a única instituição com acadêmicos dedicados a estudar a liberdade religiosa dos cristãos – o Instituto Internacional de Liberdade Religiosa (IIRF).

Esta é a única pesquisa do tipo realizada anualmente em todo o mundo. Ela avalia a liberdade que um cristão tem para praticar a fé nas cinco esferas da vida:

INDIVIDUALIDADE
A pessoa não é livre para escolher qual religião quer seguir, orar a Deus dentro de casa ou num lugar público. Ter a Bíblia e outros livros cristãos também é proíbido. Não há liberdade para expressar a fé.

FAMÍLIA
A perseguição vem por meio de parentes que insistem que o cristão volte à antiga fé. O convertido é proibido de praticar a fé cristã em casa e enfrenta problemas em assuntos civis como casamento, batismo, enterro de familiares, criação de filhos, divórcio e direitos de herança.

COMUNIDADE
O cristão sofre pressão por meio de atitudes preconceituosas, leis, sequestro, casamento forçado, dificuldade de acessar recursos comunitários e de saúde, pressão para renunciar a fé, discriminação no trabalho, desvantagens na educação, intimações à delegacia, multas etc.

NAÇÃO
Quando não há leis que garantam a liberdade de culto e de prática da fé. Evangelizar é considerado um crime e, em casos mais extremos, se converter também. O cristão enfrenta acusações de blasfêmia, problemas para tirar o passaporte, se reunir com cristãos, expressar a opinião publicamente, entre outros.

IGREJA
Há impedimentos para registrar e construir igrejas e realizar atividades comunitárias, como culto, reunião de oração, batismo, aula bíblica etc. É comum o confisco e monitoramento de materiais religiosos e de treinamentos bíblicos.

O nível de perseguição caracteriza-se por uma escala de 0-100 pontos, diretamente ligada a um conjunto de 96 questões, abrangendo as cinco esferas da vida acima e a ocorrência de incidentes violentos. Para fins práticos, a Lista Mundial da Perseguição 2018 dividiu-se nesta faixa 0-100 pontos em 4 categorias.

Ao separar as áreas para análise, a Portas Abertas elabora um questionário específico e extenso que contempla as diferentes formas de perseguição. Cristãos de diversas nações são convidados a responder um total de 96 perguntas que, somadas a informações obtidas por meio de pesquisas e averiguação, culminam na pontuação do país na Lista.

O resultado final é usado para determinar a ordem dos países na posição de 1 a 50 da Lista Mundial da Perseguição. Além disso, a pesquisa faz distinção entre duas formas principais de perseguição: ameaças e pressões que cristãos vivenciam em todas as áreas da vida, e pela violência a que eles são submetidos.

Não se engane ao imaginar que a violência é a forma predominante e mais invasiva de perseguição; em muitos casos, a opressão pode ter um efeito ainda mais devastador. Isso explica porque não necessariamente quanto maior a violência física contra os cristãos, maior é a perseguição.

A grade de pontuação tem quatro elementos de resposta variáveis que determinam a pontuação de cada questão:

1) Proporção dos tipos de cristianismo afetados
2) Proporção de território habitado afetado
3) A intensidade da perseguição
4) Frequência de perseguição

Para classificar entre perseguição extrema, severa, alta e variada, a Portas Abertas utiliza os campos de intensidade e frequência de perseguição.

Intensidade da situação: o grau ou o nível de pressão causado por uma fonte de perseguição.
Ele pode ser “baixo”, “médio”, “alto” ou “muito alto”.

BAIXO: se o problema em questão pode ser tratado ou processado com facilidade.
MÉDIO: se o problema em questão pode ser tratado ou processado, mas com mais dificuldade do que se fosse baixo.
ALTO: se o problema em questão pode ser tratado ou processado, mas com dificuldade.
MUITO ALTO: se o problema em questão só pode ser tratado ou processado com grande dificuldade.

Frequência da situação: A taxa em que os incidentes acontecem.
Ela pode ser “esporádica”, “relativamente frequente”, “frequente” ou “permanente”.

ESPORÁDICA: o problema acontece, mas não com frequência.
RELATIVAMENTE FREQUENTE: o problema acontece com maior frequência do que se fosse esporádico.
FREQUENTE: o problema acontece com frequência, mas não é permanente.
PERMANENTE: o problema é uma realidade constante com raras exceções.

Exemplo: NIGÉRIA
A Nigéria ocupa o 14º lugar na Lista Mundial da Perseguição. Dentro de toda a pesquisa, este ano, o país fez 77 pontos, o que classifica esse país em perseguição severa.

Fonte: https://www.portasabertas.org.br/artigo/entenda-a-lista